Para, Brother…

14650106_879487545515471_255965751614005409_n

14591584_879487552182137_7637435102936112203_n

10645228_879487645515461_933391919474560326_n

14519784_879487652182127_1061201952899970183_n

14570395_879487752182117_7640302124120480576_n

14563295_879487638848795_6996053327536551879_n

14572961_879487585515467_810195030038813056_n

14581578_879487712182121_7341908517127709823_n

14591658_879487755515450_2772920355808238179_n

14595642_879487592182133_8419802108395380999_n

14641912_879487575515468_8155253656958103511_n

14642116_879487548848804_139062383903170995_n

14690938_879487702182122_7021844757662466485_n

14666236_879487708848788_6224701064424647314_n

14705688_556970157826151_1332730743842579036_n

Curta e conheça mais o projeto: AQUI

 

Anúncios

Vítima de estupro limpa o sangue na roupa do agressor e prova garante sua condenação

Numa atitude desesperada, uma mulher de 58 anos, atacada enquanto levava seu cachorro para passear, acabou contribuindo para que seu agressor fosse preso. Vítima de estupro e extremamente machucada por um homem de 18 anos, ela decidiu limpar o sangue vindo de seus ferimentos. As informações são do site de notícias “Daily Mail”.

O crime, cometido no dia 15 de julho em Cumbria, na Inglaterra, acabou levando Jack Walker à cadeia pelos próximos 11 anos. Sob ameaças de esfaqueá-la até a morte, Walker teria puxado a vítima pelo cabelo, batido nela diversas vezes e depois a colocado contra a sua vontade ao chão, onde a estuprou.

Apesar das súplicas da mulher, a violência continuou, e ela decidiu passar seu próprio sangue nas roupas do agressor, o que levou a polícia a identificá-lo. “Como resultado, a evidência provou que ele cometeu o delito de maneira inquestionável. Depois de negar inicialmente as acusações, ele não teve outra escolha a não ser se declarar culpado”, disse Isla Chilton, promotora.

Segundo o detetive Jim Grattan, a sentença de 11 anos é motivo de comemoração. “Não há desculpa para ações impensáveis de Walker e eu estou contente que esteja enfrentando uma sentença significativa por seus crimes. A vítima estava inocentemente andando com seu cachorro quando Walker a forçou e começou seu ataque brutal. Ela tem mostrado verdadeira bravura durante a nossa investigação”, disse.

Fonte: Extra

 

CURSO GRATUITO “O professor como peça-chave na prevenção do abuso sexual”

A Revista Azmina lançou o curso online e gratuito “O professor como peça-chave na prevenção do abuso sexual”, desenvolvido com apoio da ONU Mulheres e da ONG Childhood.
São apenas 100 vagas e as inscrições estão abertas.
 
Participe e garanta seu lugar: tinyurl.com/prevencaoabuso

Palestra – A opressão da Mulher no Sistema Prisional

> Nana Queiroz, Jornalista e Autora do Livro “Presos que Menstruam
> Maíra Fernandes, Advogada e Membro da Comissão de Direito Penal do IAB
> Monique Cruz, Representante da Justiça Global
> Karoline Melo, Representante do coletivo Elas Existem

Durante o evento será lançado o novo livro de Nana Queiroz: “Você já é feminista“.

*No local haverá um ponto de coleta para a nossa campanha de arrecadação de itens básicos de higiene para a Unidade Socioeducativa Professor Antonio Carlos do Degase e Hospital Psiquiátrico Penal Roberto Medeiros no Complexo do Gericinó em Bangu. Lista Campanha – Sabonete, Pasta de dente, Absorventes e Creme de cabelo. Outros itens que também poderão ser doados – Livros, meias, remédio e camisa branca.

04 de outubro às 18h30
Auditório Caarj
Av. Marechal Câmara, 210 – 6º andar, Centro RJ

Evento: AQUI

Organização Elas Existem Mulheres Encarceradas

A triste realidade da Prostituição em Bangladesh

Bangladesh é um dos países mais pobres do mundo. Sua população, de cerca de 157 milhões de pessoas segundo dados do Banco Mundial, vive em condições muito precárias, e uma parte importante dela (mais de 30%) vive abaixo da linha da pobreza.

Além disso, os salários são miseráveis e as condições de trabalho são semelhantes à escravidão, com jornadas extremamente longas que superam, com folga, as oito horas diárias.

Um dos aspectos mais surpreendentes sobre o país é que a prostituição é completamente legalizada, mesmo com uma população majoritariamente muçulmana (mais de 90%). A fotógrafa Sandra Hoyn viajou a Bangladesh para documentar esta realidade.

Ela visitou o bordel de Kandapara e fotografou suas residentes. Situado na cidade de Tangail, o local abriga mais de 700 profissionais do sexo. Hoyn teve que ganhar a confiança das prostitutas e, com o tempo, conseguiu fotografá-las em um ambiente mais íntimo.

Ela confessa que uma das experiências mais difíceis foi ver uma menina de 15 anos que não queria fazer sexo com um cliente. Ele havia chegado ao bordel com quatro amigos, e todos queriam ter relações sexuais com a menor.

prost01

Kajol e um cliente. Ela acha que tem 17 anos, mas não sabe ao certo qual é a sua idade. Foi casada durante 9 anos e tem um filho de 6 meses. Sua tia a vendeu ao bordel e ela foi obrigada a retomar a rotina de clientes quando seu bebê tinha apenas duas semanas (Sandra Hoyn).

prost02

Papia, de 18 anos, com dois clientes no bordel. Seus pais morreram cedo e ela se casou muito jovem. Passou um tempo na prisão devido ao consumo de heroína, e lá conheceu uma mulher que a levou ao prostíbulo (Sandra Hoyn).

prost03

Mulheres esperando clientes nas portas do bordel (Sandra Hoyn).

prost04

O bordel de Kandapara é o mais antigo e o segundo maior do país. Ele existe há 200 anos e mais de 700 prostitutas vivem no local com seus filhos (Sandra Hoyn).

prost05

Assim é a vida dentro de um bordel em um dos países mais pobres do mundo.

prost07

Preservativos usados no exterior do bordel de Kandapara (Sandra Hoyn).

prost08

Bebês gêmeos de 5 meses descansam na cama. Uma prostituta de 20 anos deu à luz. Eles ainda não têm nome (Sandra Hoyn).

prost09

Pakhi, de 15 anos, e Mim de 19. As duas são prostitutas neste bordel (Sandra Hoyn).

prost10

Um cliente tenta beijar a bochecha de Priya (Sandra Hoyn).

prost11

Mim toma banho no prostíbulo (Sandra Hoyn).

prost06

Dipa, de 26 anos, está chorando. Ela está grávida de dois meses de um cliente do bordel (Sandra Hoyn).

O projeto se chama “The Longing of Others” (“Os Desejos dos Outros,” em tradução livre). Mais informações podem ser obtidas no site de Sandra Hoyn